quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Reforma Tributária de Trump: 40 Grandes Empresas Dão $$ aos seus Trabalhadores


Pois é, a reforma tributária de Trump que diminuiu em muito os impostos sobre as empresas fez com que elas distribuíssem dinheiro aos seus funcionários.

No Brasil, isso seria inimaginável. O Estado está falido há décadas, grande parte da população depende do Estado para sobreviver e acho até que as empresas brasileiras não repetiriam o que fizeram as americanas.

Vejam a lista de empresas que deram muito $$ aos seus trabalhadores nos EUA:

AT&T — $1,000 bonuses to 200,000 employees, and a $1 billion increase in capital expenditures.
AAON — $1,000 bonus checks to 2,000 employees
AccuWeather – year-end bonuses to all employees. (Approx. 450 – 500 employees)
Aflac – increase 401(k) match from 50% to 100% on the first 4% of compensation plus one-time $500 contribution to every employee’s 401(k); $250 million increase in overall U.S. investment.
American Airlines — $1,000 bonuses for every employee, excluding officers. The bonuses will total $130 million. AA had 127,600 employees as of Sept. 2017.
American Bank – $1,000 bonuses for 60 employees
American Savings Bank – $1,000 bonuses to 1,150 employees; base wage increase from $12.21 to $15.25
Americacollect – $300 – $500 bonuses for 250 employees
Aquesta Financial Holdings — $1,000 bonuses to 95 employees; base wage hike to $15 per hour
Associated Bank – $500 employee bonuses; base wage will rise from $10 to $15 per hour
Bank of America — $1,000 bonuses to 145,000 U.S. employees
Bank of Hawaii – $1,000 bonuses to 2,074 employees; base wage increase from $12 to $15
Bank of the Ozarks – Bonuses of up to $1,200 for 2,300 employees
BB&T – $1,200 bonuses for 27,000 employees; base wage will rise from $12 to $15 per hour; $100 million in charitable donations
Boeing — $100 million in charitable donations; $100 million for workforce development; $100 million for infrastructure and facilities
Canary LLC – due to tax reform, the company will hire more employees and increase capital spending.
Central Pacific Bank – all 850 employees will receive $1,000 bonuses; base wage will rise from $12 to $15.25
Citizens Financial Group — $1,000 bonuses for 12,500 employees and $10 million for charitable donations
Colling Pest Solutions – details on benefits to be announced shortly
Comcast — $1,000 bonuses to 100,000 employees; at least $50 billion investment in infrastructure in next five years
Comerica Bank — $1,000 to 4,500 non-officer employees; base wage increase to $15 per hour
Commerce Bank – 3,450 employees will receive bonuses — $1,000 for full time employees and $250 for part time employees; $25 million in charitable donations
Community Trust Bancorp — $1,000 bonuses for full time employees and $500 bonuses for part-time employees (exact number receiving bonus unknown at this time)
Copperleaf Assisted Living – $200 – $600 bonuses for 175 employees
Cornerstone Holdings – details on benefits to be announced shortly
Dayton T. Brown Inc. (engineering/testing company) — $400 bonuses for each of the 210 employees
Delaware Supermarkets Inc. — $150 extra bonuses to 1,000 non-management personnel.
Eagle Ridge Ranch – details on benefits to be announced shortly
Elite Roofing Systems – details on benefits to be announced shortly
Elite Clinical Trials – details on benefits to be announced shortly
Express Employment Professionals — $2,000 bonuses to more than 200 non-executive employees
Fifth Third Bancorp – $1,000 bonuses for 13,500 employees; base wage will rise to $15
First Hawaiian Bank – $1,500 bonuses to 2,264 employees; base wage increase to $15
First Horizon National Corp. – $1,000 bonuses to 4,000 employees
Fort Ranch – details on benefits to be announced shortly
Gardner Company – details on benefits to be announced shortly
Gate City Bank — $1,000 hand-delivered bonus checks to 538 non-management personnel; $500,000 higher charitable giving; $500,000 worth of free home appraisals.
Get Found First – details on benefits to be announced shortly
INB Bank — $500 bonuses to 200 employees. The bonuses will exclude the Senior Management Team. The base wage will be raised to $15 per hour
Kansas City Southern — $1,000 bonuses. (Exact number receiving bonus unknown at this time; the company employs 6,485)
Kauai Cattle LLC – details on benefits to be announced shortly
Melaleuca – all 2,000 employees will receive a $100 bonus for each year they have worked at the company
Move It Or Lose It Moving LLC – details on benefits to be announced shortly
National Bank Holdings Corporation – $1,000 bonuses for employees making less than $50,000 (exact number receiving bonus unknown at this time)
Nationwide Insurance — $1,000 bonuses to 29,000 employees; increased 401(k) matching contributions for 33,000 employees
Natural Guardian – details on benefits to be announced shortly
Navient – 98% of Navient’s 6,700 employees will receive a $1,000 bonus (approx. 6,566 bonus-eligible employees)
Nelnet — $1,000 bonuses for 4,100 employees
OceanFirst Financial Corp. – base wage increase to $15 per hour
Ohnward Bancshares — $1,000 bonuses for all 260 employees
Pinnacle Bank — $1,000 bonuses for 1,007 employees
Regions Financial Corporation – base wage increase to $15 per hour; $40 million in charitable donations; $100 million in capital expenditures
Resident Construction LLC – details on benefits to be announced shortly
Riverbend Management, Inc. – details on benefits to be announced shortly
Riverbend Ranch – details on benefits to be announced shortly
Rush Enterprises – $1,000 bonuses for all 6,600 employees
Sinclair Broadcast Group — $1,000 bonuses for 9,000 employees
Smith Chevrolet – details on benefits to be announced shortly
Smith Honda – details on benefits to be announced shortly
Smith RV – details on benefits to be announced shortly
Southwest Airlines — $1,000 bonuses for all 55,000 employees; $5 million additional charitable donations
Steel Design LLC – details on benefits to be announced shortlydetails coming
Stifel Financial Corporation – $1,500 bonuses for 7,000 employees
TCF Financial Corporation — $1,000 bonuses for full time employees; $500 bonuses for part time employees (exact number receiving bonus unknown at this time);
The Flood Insurance Agency — $1,000 bonuses for 17 full time employees
Territorial Savings Bank — $1,000 bonuses to 247 employees; base wage hike from $11.25 to $15.00 per hour
Total System Services — $1,000 bonuses for 11,500 employees
Turning Point Brands, Inc. — $1,000 bonuses for 107 employees
Unity Bank – all 200 non-executive employees will receive a $750 bonus
U.S. Bancorp – $1,000 bonuses for 60,000 employees; base wage hike to $15 per hour; $150 million charitable contribution
Willow Creek Woodworks – details on benefits to be announced shortly
Wells Fargo – raised base wage from $13.50 to $15.00 per hour; $400 million in charitable donations for 2018; $100 million increased capital investment over next three years

sábado, 30 de dezembro de 2017

A Pior Previsão Econômica de 2017.



Esse ano, eu tive a graça de publicar um livro sobre previsões feitas por economistas, pela editora Prismas. O livro se chama "Perspectivas do Comércio Exterior do Brasil em um Mundo Caótico e sem Vantagem Comparativa".



Apesar de parecer ter foco no comércio exterior do Brasil, o tema do livro são as perspectivas feitas por economistas para o comércio global.

Sobre isso, a porta-voz do presidente Trump, Sarah Sanders, selecionou a pior previsão para o ano de 2017. A coroa de lixo vai para Paul Krugman que previu em novembro de 2016 que a economia americana com Trump seria um desastre.

Bom, ela tem toda razão.

E eu diria mais, durante as eleições, como eu mostro no meu livro, as instituições internacionais em geral faziam coro com a perspectiva de Krugman, mas assim que Trump ganhou logo disseram que ele teria sucesso. No meu livro, eu mostro as posições da OCDE e do FMI sobre o que Trump pretendia fazer na economia americana.

Se se interessarem pelo tema, comprem meu livro, seria um prazer autografá-lo para vocês.


quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

74 Questões Respondidas sobre Bitcoin


Li hoje 74 perguntas respondidas sobre Bitcoin, vale à pena lê-las para entender o que seria esse negócio de Bitcoin.

Essas respostas tomam o ponto de vista de que esse negócio não é uma fraude. Eu não arriscaria nisso. Em todo caso, vale à pena ler.

A fonte é o site ZeroHedge, copio as primeiras 25 perguntas respondidas abaixo, leiam o resto no site Zero Hedge:

1. What the hell is it? In the most general sense, bitcoin is software that forms a decentralized, peer-to-peer payment system with no central authority like the Federal Reserve or U.S. Treasury. It’s fair to call it a digital currency or cryptocurrency, but at the moment, most investors aren’t really using it as currency to pay for things. Instead, they’re using it as a speculative investment to buy in the hope of turning a profit. Maybe a big profit. (And maybe a big loss).
2. What backs or supports it? Bitcoin runs on something called blockchain, which is a software system often described as an immutable digital “ledger.” It resides on thousands of computers, all over the world, maintained by a mix of ordinary people and more sophisticated computer experts, known collectively as miners. Yahoo Finance’s Jared Blikre dabbles as a bitcoin miner, running mining software in the background on his laptop. Here’s how much bitcoin he has generated so far: 0.000000071589. At the current rate, it would take him about 1,200 years to mine one complete bitcoin. That gives you a sense of how complex it is to mine bitcoin, and how much processing power it takes: These computerized mining rigs throw off so much energy that they can heat your home.
All bitcoin transactions are permanently recorded by miners, who upload bundles of transactions, or “blocks,” to the chain, maintained on all those computers. Blockchain as a technology has become popular among banks and other big financial institutions, who want to use it to settle payments on their back-end systems. But they’re mostly interested in blockchain without bitcoin.
3. Who’s running the show? Bitcoin is decentralized, which means there isn’t one arbiter, central party or institution in charge. Blocks of transactions are validated on the blockchain network through computing “consensus,” which is a feature of the software. Bitcoin was created by someone in 2009 using the pseudonym Satoshi Nakamoto, but it isn’t known who that was, and that person or group doesn’t have control over bitcoin today.
4. What is there to value? The price of bitcoin fluctuates based on buying and selling, just like a stock, but there’s a ton of debate over what the price represents. In theory, the value of bitcoin should reflect investors’ faith in bitcoin as a technology. But in reality, investors mostly see bitcoin as a commodity because of its finite supply. Under Satoshi’s blueprint, the total supply of bitcoin will eventually be capped at 21 million coins. At the moment, 16.7 million bitcoins have been created. A fractional amount of new coins gets created every time a miner uploads a block to the blockchain, which is a reward for mining.
5. Is this a scam? It’s not a scam, in the sense of somebody marketing a bogus product. Bitcoin is a legitimate technology. The question is how useful and valuable it will become.
6. Is there actually a physical coin called bitcoin? No. You can’t touch a bitcoin because it’s essentially software. You may have seen images of gold coins with a “?” on them. Those are souvenirs that can’t be converted into actual bitcoin. But they’re better for illustrating news stories than the streams of numbers and letters that resemble the actual blockchain.
7. Is it tangible like gold? Bitcoin has one big similarity to gold, in that some investors consider it a good store of value for financial wealth. You can take possession of your bitcoins — as some people do with gold — by downloading the string of digital codes that represents your holdings onto a gizmo that looks like a flash drive. But you can’t run your fingers through your bitcoin the way you might with a pile of gold doubloons, and bitcoin certainly isn’t pleasingly shiny.
8. Is value completely determined by the free market? For the most part, yes. There’s a known and limited supply of bitcoin, so when demand goes up, so does the price. Technical innovation also contributes to bitcoin’s value. It was a novelty when first created in 2009, and the market has determined (for now) that it’s an invention that’s worth something.
9. How can something that does not exist in the material world have a monetary value? Bitcoin does actually exist in the material world, the same way an operating system for your phone or computer exists in the material world. Remember, it’s essentially software, and it’s very clear that certain types of software have value because of what they allow us to do.
10. If it’s virtual, can’t people make duplicates? Yes, but that’s not a problem. All bitcoin transactions are stored on that public ledger, the blockchain. You can copy the blockchain, but it’s just a record. So you wouldn’t be changing the distribution of bitcoin. To process new transactions in bitcoin, miners with powerful computers solve complex problems that add the transactions in a block to the blockchain. This is called “proof of work” and is one of the core features of most cryptocurrencies. Multiple miners verify the work, which prevents fraud.
11. Is this a legal tender? Not officially yet in the United States. “Legal tender” means the laws of a state or nation require any creditor to accept the currency toward payment of a debt. In the United States, for instance, merchants must accept the U.S. dollar, which makes it legal tender. The U.S. government allows transactions in bitcoin, but doesn’t require every nail salon, car dealership or restaurant to accept it. They do have to accept dollars. Meanwhile, Japan and Australia, among other countries, have officially recognized bitcoin as legal currency. 
12. What is the collateral behind bitcoin? Nothing! The bitcoin blockchain records the entire transaction history of all bitcoin, which is validated through proof of work. That’s not collateral, however. There’s no other tangible asset backing bitcoin, the way a car serves as collateral for a car loan or a building serves as collateral for a commercial property loan.
13. Who keeps track of each bitcoin? All of the miners who maintain the system.
14. How do you buy and sell it? There are a number of easy-to-use exchanges now where you can buy bitcoin using money transferred from a bank account, and in some cases by charging a credit card. The most popular mainstream option is Coinbase, which now has more than 13 million customers. Kraken is another one. Here’s our full explainer on how to buy bitcoin.
15. What are you actually buying? You’re buying a digital “key,” which is a string of numbers and letters that gives you a unique claim on the blockchain supporting bitcoin. You can transfer this asset to others for whatever the market price of bitcoin is, minus transaction fees.
16. Can they be purchased in a regular brokerage account? Traditional brokerages such as Vanguard, Fidelity and Schwab don’t yet offer the ability to purchase bitcoin directly. But there are securities linked to the value of bitcoin, such Bitcoin Investment Trust (GBTC), which you can buy through a traditional brokerage. That doesn’t make them a safer investment than bitcoin. Most, in fact, are highly volatile, just like the coin, and they don’t necessarily track the price of bitcoin perfectly.
17. How much money do you need to get started? Not much. Coinbase lets you purchase as little as $1 of bitcoin, ethereum or litecoin, for instance.
18. Can bitcoin be purchased in fractions? Yep. One bitcoin is divisible down to 8 decimal points, or 0.00000001 bitcoin. That’s the equivalent of one one-hundred-millionth of a coin. That unit is known as a satoshi, in honor of the pseudonymous founder of bitcoin. If one bitcoin is worth $15,000, the value of a satoshi would be .015 cents.
19. Can it be traced back to you? Yes. Anyone who buys or sells bitcoin on an exchange such as Coinbase must provide their personal information to that exchange. If law-enforcement agencies or the IRS need to know something about you, the exchange will have to provide the info under the same laws that govern banks or brokerages. But your personal info does not become part of the blockchain and is not visible to miners maintaining the blockchain.
If you trade bitcoin privately with someone else in a peer-to-peer transaction, that person may know something about you, but nobody else would see the transaction. And if you’re a shady character aiming to launder bitcoin, there’s a way, called “bitcoin mixing.” Multiple bitcoin owners send their bitcoins to a service known as a mixer, which pools bitcoin from multiple sources, mixes them up, and redistributes them to the original owners in the amount they contributed (minus a fee, needless to say). This is risky and assumes the mixer doesn’t run off with your coin.
20. Where is my money going when I buy a crypto? When you buy bitcoin or any other cryptocurrency, somebody is selling it to you — so most of the money goes to the seller. Exchanges also charge fees for conducting transactions, which can get very high. Bitcoin miners also earn transaction fees for their role in maintaining the network. Those tend to be tiny.
21. Are bitcoins real money? And can I cash them in whenever I want? Bitcoin has value that can be converted into ordinary currency, or used to make purchases from sellers that accept bitcoin. So in that sense, it’s real money, and it will remain real money as long as there’s a market with people willing to buy it. To “cash in” bitcoin, you need to sell it to somebody, in exchange for dollars or some other currency. Exchanges that handle such transactions have experienced frequent outages that prevent some people from accessing their accounts or executing a trade for a period of time, especially when are there large movements in the price of bitcoin. So don’t assume you’ll be able to sell any time you want.  
22. What is the value based on, besides scarcity? What buyers and sellers think bitcoin is worth. In other words, a lot of psychology.
23. How are they stolen? The bitcoin blockchain itself is very secure, but bitcoins can be stolen from an account if thieves are able to log into your account and send the bitcoin to another account they control. Once bitcoin is transferred, it can’t be recovered. Thieves typically break into other people’s accounts by stealing logon and password info. That makes it extremely important to use all possible measures to safeguard a bitcoin account, including two-factor authentication with a mobile phone. You also have a “private key,” which is a third layer of security that you might need at some point, if there are questions about who’s logging into your account. This key is typically a string of keyboard characters that should be stored where it can’t be lost or stolen or accessed through the internet.
24. How does bitcoin generate revenue? Miners earn money–paid in bitcoin–for creating bitcoin, which helps cover the cost of time and computer power that the process requires. They also earn small transaction fees from bitcoin users. Bitcoin itself doesn’t generate revenue. It’s best thought of as a commodity, similar to gold, that has a market price but doesn’t generate economic activity, the way a business does. When the value goes up, bitcoin can create profits. But when the value goes down, it can also create losses.
25. Is there value in this currency outside of black market transactions and ransoms? Yes. Since bitcoin transfers can’t be traced, bitcoin is often used to purchase drugs or stolen gods or finance other types of criminal activity. But it also has legitimate uses, and can be used as a form of payment with anybody who accepts it. Some investors consider bitcoin to be a store of value–an asset that has a long shelf life and whose value generally goes up over time. While that may be the trend of the last several years, however, we still can’t be sure bitcoin will hold its value long-term.



sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Teoria do Caos, Filosofia (Erística) e Racionalidade Limitada para Tratar de Comércio Exterior


Caríssimos, para a minha felicidade, ontem foi publicado meu livro "Perspectivas do Comércio Exterior do Brasil em um Mundo Caótico e sem Vantagem Comparativa".

Vou contar aqui um pouco da história desse meu "filho".

A Editora Prismas me convidou para ser Diretor Científico de publicações sobre o Comércio Exterior no ano passado. Aceitei a função, coordenei a publicação de uma coletânea de artigos de vários renomados autores e resolvi também fazer minha colaboração para o tema.

A coletânea de artigos será publicada em breve.

O meu livro foi publicado antes.

Eu costumo ser professor de gestão de negócios internacionais e nunca gostei muito da abordagem de livros sobre comércio exterior, são repetitivos e filosoficamente simples demais para o meu gosto.

Eu sempre achei que as perspectivas de comércio exterior desses livros são muito falhas pois não mostram as bases filosóficas deles em um mundo que é cada vez mais um caos e sofista. E sempre achei que a formação dos economistas é muito ruim.

Minha tese de doutorado de 2006 foi sobre "racionalidade limitada", teoria que recebeu outro Prêmio Nobel esse ano.

Resolvi expor como eu acho que deve ser analisado as perspectivas de comércio exterior do Brasil, agregando "teoria do caos", "racionalidade limitada" e  "erística" (sofismo ou falácias usadas para vencer um debate sem necessariamente ter razão).

Apesar de ser um livro técnico, Chesterton dá a epígrafe do livro e Padre Antonio Vieira e Santo Agostinho agregam valores especiais ao texto.

Acho que ficou muito interessante.

Espero que gostem, o livro está disponível para compra no site da Editora e estará em breve em outras livrarias.

Abaixo vai o Sumário do livro e um pouco da Introdução












Capítulo 4- Conclusões


---
Introdução:

O ano de 2017 marca o bicentenário do livro Princípios de Economia Política e Tributação[1], de David Ricardo. A doutrina da vantagem comparativa que é base teórica e até filosófica do livre comércio tem fonte seminal nesse livro. Essa doutrina também fundamenta a Organização Mundial do Comércio (OMC) na sua busca por abertura comercial. A vantagem comparativa advoga que o comércio é benéfico para os dois lados, mesmo que uma das partes seja melhor na produção de todos os bens. Foi elaborada pelo economista David Ricardo, no capítulo 7, parágrafo 16, do seu livro, tratando das produções de vinho e tecidos em Portugal, em seu comércio com a Inglaterra.
Ricardo argumentou que Portugal deveria se concentrar na produção de vinhos, mesmo produzindo tanto vinho como tecidos com  menos mão de obra do que os ingleses. Pois Portugal tinha, usando um termo só definido posteriormente, menor “custo de oportunidade” na produção de vinho do que na produção de tecidos. Dessa forma, por trás da ideia de vantagem comparativa está a lógica do “custo de oportunidade”, que, por sua vez, é um benefício que é abdicado em favor de outro.
O “custo de oportunidade” considera que o benefício e o custo de uma ação devem ser medidos pelo o que se deixou de fazer, o que demanda uma análise ampla de todas as oportunidades disponíveis.
Por isso, faltou a Ricardo analisar, por exemplo, se Portugal só tinha disponível vinho e tecidos para produzir, se apenas o custo de mão de obra para analisar, se só a Inglaterra como parceiro comercial, e se, da mesma forma, a Inglaterra não poderia aprimorar seus métodos de produção e o uso da terra. Sem falar que a troca comercial entre Portugal e Inglaterra é dependente do momento e da questão tecnológica. David Ricardo deixou claro que baseia sua análise apenas no custo do trabalho. e também se sabe que no modelo de crescimento econômico dele não há progresso tecnológico. Ricardo aceitou, por sinal, a teoria populacional de Thomas Malthus.
 Apesar de o “custo de oportunidade” ter aplicação muito mais ampla e fundamentar a própria lógica de vantagem comparativa, a OMC argumenta que se pode dizer que a ideia de vantagem comparativa é “a mais poderosa ideia da teoria econômica”[2].
Em todo caso,  é preciso  saber se a doutrina da vantagem comparativa ainda tem sentido, em um mundo com i) baixíssimos custos de transporte e de comunicação; ii) avançada tecnologia de produção, que adota robotização na produção em diversos setores; iii) alta especialização da produção; iv) possibilidade ampla de realizar toda a produção no exterior; e v) força das multinacionais. A própria OMC reconhece que os países estão ficando similares e assim as vantagens comparativas dos países estão sendo eliminadas[3].
A importância do fundamento das vantagens comparativas depende de fatores que não são fatores econômicos, são questões ideológicas que determinarão o futuro das vantagens comparativas. Para onde o mundo está caminhando para uma ampliação da globalização ou para o reforço do nacionalismo? Até bem pouco tempo atrás, eram políticos de vertente esquerdista que atacavam a globalização e defendiam a produção nacional, mas agora políticos de direita se juntam para atacar o que chamam de “globalismo”. Na campanha presidencial dos Estados Unidos, era Hillary Clinton que apoiava os acordos internacionais de livre comércio, enquanto Trump denunciava o impacto perverso desses acordos nos empregos dos americanos. No Brasil, sempre se disse que presidentes republicanos, como Trump, eram bons para o comércio brasileiro por defenderem o livre comércio ideologicamente, enquanto presidentes democratas, como Obama, prejudicavam as exportações do país por insistirem na produção doméstica, por conta da ideologia nacionalista.  No caso de Obama com o Brasil, a relação do ex-presidente com o país não foram boas, nem mesmo politicamente, apesar da admiração acentuada dos jornalistas brasileiros por ele. Fato reconhecido pela própria administração Obama[4]. Trump promete uma visão mais nacionalista, então a expectativa em geral não é boa para o Brasil, mas há nuances que o Brasil pode aproveitar. Discuto isso no Capítulo 3.
Deve-se considerar também que no arcabouço institucional dos Estados Unidos, o Congresso americano tem muito poder, incluindo sobre políticas comerciais. Um presidente deve saber negociar com o Congresso, especialmente quando é dominado pelo partido opositor. Obama foi considerado o pior presidente da história dos Estados Unidos em termos da sua capacidade de passar leis com apoio do Congresso[5]. Assim como Obama, Trump inicia seu governo com seu partido dominando tanto a Câmara como o Senado, vamos ver se consegue se sair melhor que seu antecessor. Não é difícil, uma vez que Obama, em oito anos, aprovou menos leis que Jimmy Carter, que teve apenas quatro anos de governo.
A China, o mais importante parceiro comercial do Brasil, não tem esse problema típico da democracia, de conflito entre poder executivo e poder legislativo. Não se pode nem questionar as decisões econômicas, políticas e sociais do partido único da China. Nem mesmo os dados econômicos. O  partido único na China está presente desde o ventre da mãe chinesa até o carro chinês exportado.
No Brasil, o presidente tem mais força e em geral tem apoio da maioria do Congresso. Mas em se tratando do que os políticos brasileiros pensam sobre comércio exterior, não há diferenças ideológicas acentuadas entre os partidos políticos. Em termos de comércio exterior, os partidos políticos brasileiros defendem certo nacionalismo na produção. Não há defesa da globalização entre os principais líderes políticos no Brasil e nunca houve de forma significativa um político brasileiro defendendo a abertura comercial como benéfica para o país. Governos brasileiros, em geral, de todas as nuances ideológicas, falam em aumentar a produtividade brasileira, e chegam até a reconhecer as importações como importante fator para isso, mas não passam muito do discurso. Normalmente,  no Brasil espera-se benesses do comércio exterior, sem que o país faça a sua parte para alavancar o comércio global. E os partidos políticos brasileiros são muito idênticos, não só em questões econômicas, o que é ruim para  a democracia.
Hoje em dia as vozes contra a globalização estão dos dois lados do espectro político em boa parte dos países. No mundo acadêmico, a defesa da globalização ficou restrita a defensores do livre comércio que seguramente são uma minoria nas universidades do mundo. E aqueles que atacam a globalização falam não só em questões econômicas, mas também em questões sociais, por conta do avanço de organizações como a Organizações das Nações Unidas (ONU) e União Europeia na legislação dos países, procurando aprovar medidas de forma global que têm amplo impacto cultural, social e até religioso. Mesmo organizações que foram formadas estritamente para lidar com questões econômicas, como o grupo de países G20, estão com uma agenda social ampla, que por vezes atrapalham ou atrasam as negociações comerciais.
Não quero dizer com isso que as negociações comerciais sejam mais importantes do que a agenda social. Eu defendo justamente o contrário, mas não estou certo de que todas as questões sociais sejam mais bem resolvidas globalmente do que localmente. Também não defendo que questões econômicas se isolem de questões sociais, aqui argumento também justamente pelo o contrário. Mas se é para tratar de questões sociais dentro de questões econômicas a formação dos debatedores deve ser diferente.
Como é possível prever o comércio exterior nessas circunstâncias de fraqueza das vantagens comparativas e críticas generalizadas à globalização?
Chamado no Brasil de Paiaçu (grande pai), o filósofo, religioso, escritor e diplomata português Padre Antonio Vieira, em seu livro História do Futuro, disse que o homem, sendo filho do tempo, do presente sabe pouco, do passado menos e do futuro nada[6]. Essa percepção de Vieira já deveria servir de alerta para todos que analisam o futuro em análises de perspectivas, sejam com base nas informações do presente ou nas do passado. Aqui tratamos das perspectivas do comércio exterior do Brasil tentando lembrar a humildade exigida por Vieira.
É fato reconhecido que economistas e organizações internacionais têm péssima reputação em matéria de previsão econômica, especialmente quando se pensa em termos de crise econômica. Em relação à crise econômica de 2008, por exemplo, conta-se nos dedos das mãos os economistas que a previram[7]. Tempos de desordem e caos econômico são períodos em que a análise econômica tende a errar mais, e, paradoxalmente, são nesses períodos que economistas e organizações econômicas são mais necessárias e relevantes. Mas, mesmo em tempos de calmaria, não confie muito em um economista sobre, por exemplo, qual será a taxa de câmbio de final de ano ou qual companhia será mais valorizada nas bolsas de valores. Se ele for do governo certamente será limitado por questões políticas, se ele for de banco será limitado pelo portfólio de investimentos do banco.
Loungani[8], economista do Fundo Monetário Internacional (FMI), tratou da capacidade preditiva dos economistas. E relatou que apenas 2 das 60 recessões que ocorreram no mundo desde os anos 90 foram previstas. E que dois meses antes de cada recessão começar, 25% das previsões ainda eram de crescimento econômico para o país em questão. Além disso, as previsões eram mais otimistas do que a recessão em 50 dos 60 casos. Alan Greenspan, presidente do Federal Reserve, disse em agosto de 2000, um mês antes da recessão econômica provocada pela “bolha tecnológica”, que aqueles que acham que os Estados Unidos estavam com perda de dinamismo econômico verão que estão errados. Após a crise de 2008, Ahir e Loungani[9] também discutiram a capacidade de previsão dos economistas. Eles consideraram 77 países, dos quais 49 estavam em recessão em 2009. Quantos economistas de três importantes fontes (Consensus Economics, FMI e OECD) em 2008 previram que esses 49 países estariam em recessão em 2009, segundo esses autores? Resposta: nenhum.
Em 2013, Greenspan, reconheceu que ele sempre foi muito mais matemático do que psicólogo, mas que usando matemática e modelos econométricos, mesmo os mais avançados, não se consegue prever de forma adequada as variáveis econômicas. Para ele dever-se-ia incorporar fatores psicológicos, como euforia, irracionalidade, instintos, medos e emoções[10].  Em 2014, escrevendo para a revista Foreign Affairs, Greenspan novamente pôs a culpa na irracionalidade para explicar a falta de poder de previsibilidade dos modelos econômicos[11].
Essa irracionalidade não é apenas de investidores, mas dos próprios economistas e políticos. Por exemplo, o Brasil viu de perto a volatilidade irracional das previsões dos economistas, em pequeno espaço de tempo. De 2009 até 2012, o mundo econômico e político achava que países como Brasil e China seriam os novos líderes da economia global. Eu mesmo tive a oportunidade de participar  de reuniões do G20, uma organização global que reúne as maiores economias do mundo, em 2008, e o que se falava repetidamente é que havia um “descolamento” de Brasil e China da grande crise financeira que o mundo desenvolvido atravessava. A partir de 2013, o Brasil entrou em decadência nas considerações dos analistas, até ser o patinho feio, apresentando o pior crescimento econômico entre as principais economias globais entre 2014 e 2016. A China também sofre com queda do crescimento e elevado endividamento. Se é assim, em tão pouco tempo, como se pode prever um futuro mais longínquo?
Temos ainda o velho problema da falta de confiança nas informações econômicas que vêm da China. Por vezes, os próprios estatísticos do governo chinês admitem que alguns dados econômicos são fraudulentos e falsificados[12].  Em 2015, pesquisa mostrou que 96% dos economistas dos Estados Unidos não confiam nos dados do PIB chinês[13]. Em 2017, uma província chinesa admitiu criar números para que seus administradores aparecessem bem na foto, melhorando os dados fiscais em 20%, por exemplo[14]. O próprio Li Keqiang, primeiro-ministro da China, admitiu que o PIB da China é manipulado e assim não é confiável[15].
Em geral, as justificativas para erros de previsão são de que os economistas e organizações não consideram fatores relevantes ou riscos relacionados em suas análises. Acho, no entanto, que é importante inicialmente considerar restrições burocráticas, justificativas que não são filosóficas, ideológicas ou sistêmicas, para os erros de previsão dos economistas. Quatro justificativas burocráticas podem ser relacionadas a quatro tipos de economistas, diferenciados pela instituição em que trabalham:
a)      Economistas de organizações econômicas internacionais sofrem o peso político dessas organizações, e não têm tanta liberdade para estabelecer suas previsões. Afinal, quem financia e controla essas instituições, como FMI, Banco Mundial, Organização Mundial do Comércio (OMC) e a Conferência das Nações Unidas para o Comércio (UNCTAD), são os próprios países;
b)      Economistas de órgãos públicos além de sofrerem o peso político dos líderes em voga, também tendem a considerar que o Estado têm muitas ferramentas para evitar uma recessão. Essa visão também muitas vezes é compartilhada por economistas do mercado, que em geral consideram, por exemplo, que os governos chinês ou norte-americano sempre conseguem evitar recessões.
c)      Economistas de instituições financeiras ou de agências de risco sofrem o peso das aplicações financeiras de suas instituições. Elas têm dinheiro alocado para determinado futuro.
d)     Economistas de universidades sofrem pela falta de experiência no mercado e em governos.

Além dessas justificativas práticas, temos falhas da modelagem econômica, que i) ou não consideram variáveis relevantes, que por vezes não são passíveis de serem calculadas; ii) ou reproduzem demais o passado; iii) ou não consideram o recorrente relacionamento corrupto entre Estado e mercado; iv) ou determinam previsões distorcidas  pela ideologia política e cultural de quem modela.